Defesa pede tornozeleira – Justiça determina preventiva para delegado que matou mulher e enteada

Mesmo com o pedido da defesa para que o monitoramento por tornozeleira eletrônica fosse concedido, a Justiça determinou que o delegado Erik Busetti, de 45 anos, permaneça preso.

Em audiência de custódia realizada na tarde desta sexta-feira (6), a prisão dele foi convertida de temporária para preventiva.

Na noite da última quarta-feira (4), Busetti admitiu que matou a esposa, Maritza Guimarães de Souza, de 41 anos, e a enteada de 16 em um condomínio de luxo do bairro Atuba, em Curitiba.

A audiência de custódia aconteceu no Centro Judiciário, no bairro Ahú.

Na conversão da prisão, o juiz justificou a gravidade dos fatos para a decisão.

De acordo com a delegada Camila Cecconello, vizinhos informaram que Busetti e a esposa discutiram durante a tarde.

Os dois estavam em processo de divórcio. “Eles discutiram à tarde, o delegado Erik foi embora e voltou à noite.

Não sabemos se as duas estavam na sala no momento em que ele chegou.

As duas estavam abraçadas.

A mãe sobre a filha, talvez tentando protegê-la, mas só a perícia vai apontar se houve ou não chance de defesa e se elas foram surpreendidas ou não”, informou na manhã de ontem.

Segundo o advogado Claudio Dalledone, o delegado está em um quadro de depressão profunda e internado no Complexo Médico Penal em observação.

“O estado de saúde dele demanda muito cuidado, pois sofre de um quadro de depressão profunda.

No momento, ele está no Complexo Médico Penal (CMP) sob vigilância e tratamento”, disse o defensor.

Com o fim da audiência de custódia, Busetti foi levado de volta ao CMP.

Fonte Banda B

WhatsApp – Portal Voxnet – (44) 9 9756 9107 – Envie sua matéria, foto ou vídeo – Seja nosso Repórter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *