Dicas de saúde – conheça as principais dúvidas sobre o HPV

O HPV (papilomavírus humano) é um vírus que infecta a pele ou mucosas (oral, genital e anal) tanto de homens quanto de mulheres.

É a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum na população jovem.

Existem mais de 150 tipos de HPV, pelo menos 13 são cancerígenos e 40 podem infectar as regiões íntimas.

Essa doença causa verrugas, principalmente na região genital e do ânus.

Dependendo do subtipo de vírus, pode progredir e causar câncer.

O principal é o câncer do colo uterino, considerado a segunda causa de câncer mais comum entre as mulheres.

Como me prevenir do HPV?

O uso do preservativo é o único método contraceptivo que previne contra as DST’s.

Portanto, mesmo com o uso do DIU, anticoncepcional ou qualquer outro método para prevenir a gravidez, deve continuar tendo o cuidado de se proteger dessa e de outras doenças.

O HPV é detectado no exame de papanicolau?
O exame de papanicolau simples não é capaz de diagnosticar a presença do vírus.

Já o papanicolau com captura híbrida é um tipo de exame mais complexo e específico que analisa se naquela amostra existe ou não HPV e qual o subtipo presente.

Todos (as) que entrarem em contato com o vírus terá sintomas?

A maioria das infecções é assintomática ou inaparente.

A infecção pelo vírus pode gerar lesões microscópicas ou até mesmo não produzir lesões, o que chamamos de infecção latente.

Portanto, a pessoa pode estar infectada, mas não apresentar nenhum sinal ou sintoma.

O que significa NIC 1, NIC 2 ou NIC 3?

NIC é a abreviação de “neoplasia ou lesão intra epitelial cervical”, significa que tem uma célula alterada naquele local, causada pelo HPV, que pode evoluir para câncer.

NIC 1: lesões de baixo grau, comum no consultório.

Requer um acompanhamento mais rigoroso a cada seis meses e, dependendo da idade e da imunidade da paciente, o próprio organismo acaba com o vírus; NIC 2: lesões intermediárias até alto grau.

Requer investigação e biópsia para confirmação e remoção; NIC 3: lesão de alto grau sugestiva de câncer naquele local. Requer investigação e biópsia para confirmação e determinar o estado da doença.

Quais são as vacinas para HPV e como agem?
A vacina é composta por partículas do vírus, sem causar a doença.

Assim, o organismo “pensa” que entrou em contato com o vírus e produz anticorpos contra ele.

Ela promove um estímulo imunológico rápido e potente para o organismo se defender e não evoluir para uma infecção.

Existem três tipos de vacinas: a bivalente, contra os vírus de alto risco 16 e 18 que são os mais cancerígenos; a quadrivalente, contra os vírus alto risco 16 e 18 e vírus de baixo risco 6 e 11 que causam as verrugas; e a nonavalente, contra 9 sub-tipos virais de alto e baixo risco.

A vacina quadrivalente é disponibilizada no SUS para homens e mulheres até os 14 anos.

O ideal é que ela seja tomada antes do início da relação sexual, por isso o limite de idade.

Quem pode se vacinar?

No setor privado, mesmo que você tenha uma vida sexual ativa, o recomendado é vacinar homens até 26 anos e mulheres até 45 anos.

A vacina é benéfica, inclusive, para pacientes que já tiveram contato com o vírus ou que tiveram lesões em decorrência do vírus.

Nesses casos, a vacina produz 11 vezes mais anticorpos específicos contra o HPV do que a infecção natural, melhorando a imunidade, diminuindo as recidivas e ajudando até a eliminar o vírus do organismo.

Sem contar que existem quase 200 subtipos de vírus e você pode ter entrado em contato com um subtipo que não possui na vacina.

Qual o tratamento para infecção pelo HPV?
Não há tratamento específico para eliminar o vírus do organismo.

Já o tratamento das verrugas depende do local, extensão e quantidade de lesões, pois podem ser com laser, eletrocauterização, ácido ou medicamentos para melhorar a defesa do organismo.

As lesões microscópicas do colo uterino têm tratamento individualizado a depender do grau de invasão.

Pode ser realizado cauterização do colo, cirurgia e, em casos de câncer mais agressivos, até a retirada do útero, como também quimioterapia e radioterapia.

Quais são as dicas de prevenção?

Não fume; evite o consumo de bebidas alcoólicas;

pratique atividade física; tenha bons hábitos alimentares;

faça o exame preventivo regular, no máximo de três em três anos; e relação sexual com proteção.

Ao notar qualquer sinal de verrugas ou sintomas genitais diferentes, procure seu ginecologista para investigação e tratamento.

Com Informações da ginecologista e obstetra, Nara Chiamulera (CRM/PR 31.042, RQE 20313) / @dranarachiamulera

WhatsApp – Portal Voxnet – (44) 9 9756 9107 – Envie sua matéria, foto ou vídeo – Seja nosso Repórter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *